Maceió

Jovem de classe média roubou celular rastreado por oficial militar, diz polícia

15/04/16 - 11h56 - Atualizado em 15/04/16 - 13h10
TNH1 / Erik Maia

Um jovem de 25 anos, de classe média, morador de um condomínio de alto padrão na capital alagoana é a pessoa apontada pela Polícia Civil como o autor do roubo do celular que foi rastreado pelo capitão Rodrigo Rodrigues. O militar foi  morto durante abordagem a uma casa vizinha a do acusado, no sábado passado (9).

Investigações realizadas pela Divisão Especial de Investigações e Capturas (Deic) concluíram que José Romão da Silva Júnior, mesmo tendo uma motocicleta, e uma picape e outro veículo pertencentes à família, locou um carro Sedan, de cor branca, para praticar o roubo do celular, no bairro do Poço, no mesmo dia. José Romão se negou a conversar com a imprensa, assista:

De acordo com o delegado Ronilson Medeiros, que falou nesta sexta-feira (15) em coletiva de imprensa, a polícia começou a desconfiar do jovem no mesmo dia da morte do capitão. Rodrigo Rodrigues foi baleado quando abordou Agnaldo Lopes de Vasconcelos, dono da casa onde o GPS apontava estar o celular, em um condomínio no bairro de Santa Amélia, parte alta da capital.


Após a troca de tiros, que resultou na morte do oficial militar, testemunhas foram ouvidas pela polícia, entre elas, um vizinho de frente de Agnaldo, que disse ter três filhos. Um dos filhos, que chamou atenção dos policiais, já tinha sido preso por roubo de celular e possuía as mesmas características do ladrão descritas pela vítima do roubo.

“A gente chamou a vítima na delegacia para fazer o reconhecimento fotográfico e, sem vacilar, ela reconheceu. Uma testemunha do roubo também foi chamada e, quando viu a imagem do suspeito ficou muito nervosa e também confirmou”, relatou o delegado.

Com os indícios de autoria, a Deic solicitou à Justiça um mandado de prisão preventiva e outro de busca e apreensão, concedido ontem pela 6ª Vara.

Coincidentemente, José Romão compareceu na tarde dessa quinta à Deic para prestar depoimento como testemunha e ainda levava o celular da vítima. Ele foi novamente reconhecido, dessa vez, pessoalmente, e teve a prisão formalizada.

Nesta sexta, minutos antes da entrevista coletiva, o delegado tomou conhecimento de um vídeo do roubo, que confirmou a participação do suspeito.

Veja vídeo:

Abordagem em casa errada

Ronilson comentou ainda com a imprensa a abordagem da Polícia Militar feita na casa de Agnaldo Lopes, que não era a exata localização do celular. Ele declarou que o GPS apontou a rua e a numeração da residência, mas acredita que o erro se deu por conta da proximidade dos dois imóveis.

Todo o material investigado pela Deic será encaminhado à Delegacia de Homicídios, que investiga a morte do capitão Rodrigo Rodrigues.