Brasil

Jovem é morta por amiga que queria descobrir se era psicopata

G1 | 15/09/21 - 14h13 - Atualizado em 15/09/21 - 14h18
Freya, Jeferson Rodrigues e Raíssa Borges foram presos suspeitos de matar amiga em ritual em Goiânia, Goiás | Reprodução / TV Anhanguera

A Polícia Civil prendeu três suspeitos de participar no assassinato de Ariane Bárbara Laureano de Oliveira, de 18 anos, que foi encontrada morta no Setor Jaó em Goiânia, após falar para a mãe que iria lanchar com amigas. Foram presos Jeferson Cavalcante Rodrigues, de 22 anos, Raíssa Nunes Borges, de 19, e Freya, de 18. O G1 não localizou as defesas dos suspeitos para se manifestar sobre o caso.

Ariane Laureano foi morta no dia 24 de agosto, segundo a Polícia Civil, no mesmo dia do desaparecimento, e seu corpo encontrado em uma mata no dia 30. O delegado Marcos de Oliveira Gomes, que investigou o crime, disse que Ariane foi morta porque Raíssa Borges desejava saber se era psicopata ou não. Para isso, ela teria que matar alguém para saber a reação após a morte. "Eles não escolheram a Ariane por um motivo específico. Poderia ser ela ou outros dois nomes que saíram numa lista. Ela foi escolhida porque era pequena e, caso reagisse no momento do homicídio, eles conseguiriam realizar o crime", explicou o delegado.

Ariane Bárbara Laureano de Oliveira, de 18 anos, em Goiânia, Goiás — Foto: Arquivo Pessoal/Eliana Laureano

Esfaquear quando tocar música

O crime obedeceu um ritual programado pelos suspeitos. O delegado explicou que eles escolheram uma música que falava sobre homicídio e que a canção foi tocada em um momento específico da conversa. No meio da música, um deles estalou os dedos. Esse foi o sinal para Raíssa matar a vítima.

"Mas na ocasião que o motorista estalou os dedos, uma das presas não conseguiu enforcar a vítima. Então a pessoa que estava no banco da frente pulou para o banco de trás e enforcou Ariane até ela desmaiar", detalhou Marcos Gomes. Uma das suspeitas deu uma facada na vítima com o carro em movimento e ouvindo a música que eles escolheram. Logo em seguida, outra pessoa desferiu uma segunda facada. A polícia não divulgou a ordem dos suspeitos no interior do carro.

Sacos de lixo no porta-malas

A polícia identificou o veículo que teria jogado o corpo de Ariane no Setor Jaó e, posteriormente, descobriram que foi o mesmo carro que a buscou no Lago das Rosas, minutos antes de mandar avisar à mãe que ia lanchar com amigas. "Então identificamos o motorista e cumprimos mandado de prisão temporária. De imediato, ele confessou o crime e nos apresentou a arma usada, ainda com resquícios de sangue", esclareceu o delegado. Segundo a investigação, o veículo que foi buscar a vítima no local combinado já estava forrado com saco de lixo no porta malas.