Polícia

Jovem morto em carro de advogado ostentava armas em vídeos; assista

Wellington era investigado por envolvimento em pelo menos dez homicídios no interior de Alagoas

TNH1 | 11/01/19 - 10h37 - Atualizado em 11/01/19 - 11h01
Fotos foram encontradas em celular de suspeito morto | Cortesia ao TNH1

O jovem que foi morto dentro do carro do próprio advogado, na quarta-feira (9), no centro da cidade de Mata Grande, Sertão de Alagoas, costumava tirar selfies e gravar vídeos segurando armas de fogo. As imagens foram encontradas no aparelho da vítima após o atentado, dentro do veículo. Ele foi morto com disparos de espingarda calibre 12 e morreu antes de chegar ao hospital.

Nas fotos e vídeos achados no telefone, Wellington Pereira dos Santos, de 23 anos, aparece fazendo uma espécie de apresentação de uma pistola ponto 40, furtada da sede do Grupamento de Polícia Militar de Inhapi, também no Sertão. Ele teria usado a arma para matar Carlos Alberto Silva, conhecido como “Cabeça”, de 46 anos, em novembro de 2017, quando a vítima chegava em casa, na entrada da cidade.

Assista ao vídeo encontrado no celular de Wellington:

De acordo com informações da polícia que atua no Centro Integrado de Segurança Pública (Cisp) da cidade, Wellington, que era conhecido como ‘Índio’, vinha sendo investigado pela morte de pelo menos dez vítimas. Além de aparecer em fotos e vídeos empunhando armas de fogo, imagens de papelotes de cocaína também estavam no celular dele.

Fotos de papelotes estavam no celular de Índio

A investigação aponta que ele teria participação nas mortes dos irmãos marchantes Raimundo Pereira da Silva e Damião, mortos a tiros entre 22 de novembro e 17 de dezembro de 2018. Além disso, ele também seria responsável pelo assassinato de um idoso no município de Canapi.

Ainda de acordo com informações confirmadas pelo Cisp ao TNH1, Índio já tinha sido preso por porte ilegal de arma e tentativa de homicídio. A morte dele pode ter sido um acerto de contas ou queima de arquivo. No telefone dele, existem áudios que reforçam a linha de investigação, segundo a polícia.

O advogado, Wesley Júnior, que conduzia o carro no momento do atentado, ficou ferido apenas com estilhaços. Ele foi levado para o hospital da cidade, onde foi medicado e recebeu alta.