Justiça

Justiça decide que acusado de matar Bárbara Regina deve ir a júri

Otávio Cardoso é acusado de matar mulher que conheceu numa boate em Maceió, em 2012

Assessoria | 07/01/19 - 12h42 - Atualizado em 08/01/19 - 10h55
Arquivo

A 8ª Vara Criminal da Capital decidiu que o réu Otávio Cardoso da Silva Neto, acusado de matar Bárbara Regina Gomes da Silva, deve ir a júri popular. Otávio será julgado pelos crime de homicídio e ocultação de cadáver. A decisão do juiz John Silas da Silva foi publicada nesta segunda-feira (7), no Diário da Justiça Eletrônico.

Nesta terça-feira (8) a assessoria de comunicação do Tribunal de Justiça de Alagoas corrigiu a informação divulgada por eles ontem (7), onde afirmou que Otávio seria julgado pelo crime de estupro. O magistrado retirou a acusação por falta de provas.

De acordo com a acusação descrita na pronúncia, em setembro de 2012 o réu teria conhecido a vítima na Boate Le Hotel, localizada na Pajuçara, onde dançou, beijou e saiu acompanhado do local com Bárbara Regina.

Bárbara Regina. Foto: Arquivo

A vítima se recusou a ter relações sexuais com o Otávio, que teria a matado, asfixiando a vítima e desferindo golpes de punhal no peito de Bárbara, de acordo com a denúncia. Após o crime, Otávio Cardoso escondeu o corpo da vítima e teria confessado a um amigo o que tinha feito, sem revelar onde teria enterrado Bárbara Regina.

Segundo uma testemunha, dias depois do ocorrido, o réu teria ido até um lava jato que costumava frequentar, onde o dono do estabelecimento e a testemunha perceberam que o carro estava sujo com pó de cana, além de estar sujo de barro por dentro e por fora do veículo. 

Otávio foi denunciado e deverá ir a júri popular pelos crimes de homicídio qualificado por motivo torpe e emprego de meio cruel, além de ocultação de cadáver. A prisão preventiva do réu foi mantida.