Mundo

Mãe de Bin Laden fala após o 11 de setembro: "Foi uma criança muito boa até conhecer algumas pessoas"

03/08/18 - 10h45 - Atualizado em 03/08/18 - 11h53
The Guardian

Alia Ghanem, mãe de Osama bin Laden, o homem responsável pela ascensão do terrorismo global, falou pela primeira vez com a imprensa após o ataque de 11 de setembro de 2001, nos Estados Unidos.

A mulher, para quem Bin Laden ainda é um filho amado que de alguma forma perdeu seu caminho, diz que a vida foi muito difícil após a morte dele. "Porque ele estava tão longe de mim", diz ela. “Ele era um garoto muito bom e me amava tanto.”

A família mora em uma mansão em Jeddah, a cidade da Arábia Saudita que abriga o clã Bin Laden há gerações. Eles continuam sendo uma das famílias mais ricas do reino: seu império de construção dinástica construiu grande parte da Arábia Saudita moderna. A casa dos Bin Laden reflete sua fortuna e influência.

Alia Ghanem, mãe de Osama, e o irmão dele, Ahmad / The Guardian

Durante anos, Alia Ghanem se recusou a falar sobre Osama, assim como sua família. Não é novidade que a família de Osama bin Laden foi cautelosa nas negociações iniciais; eles não têm certeza se a abertura de feridas antigas será prejudicial. Mas depois de vários dias de discussão, aceitaram conversar.

Sentada entre os meio-irmãos de Osama, Ghanem lembra seu primogênito como um garoto tímido que era academicamente capaz. Ele se tornou uma figura forte, dirigida e piedosa, com cerca de 20 anos, diz ela, enquanto estudava economia na Universidade King Abdulaziz, em Jeddah, onde também se radicalizou. “As pessoas na universidade mudaram ele”, diz Ghanem.

Osama (segundo da direita) em visita à Suécia, em 1971 / Camera Press

“Ele se tornou um homem diferente.” Um dos homens que ele conheceu foi Abdullah Azzam, um membro da Irmandade Muçulmana que mais tarde foi exilado da Arábia Saudita e se tornou o conselheiro espiritual de Osama. “Ele foi uma criança muito boa até conhecer algumas pessoas que praticamente fizeram lavagem cerebral em seus 20 e poucos anos. Você pode chamar isso de culto. Eles conseguiram dinheiro para a causa deles. Eu sempre dizia a ele para ficar longe deles, e ele nunca iria admitir para mim o que ele estava fazendo, porque ele me amava tanto ”.

No início dos anos 80, Osama viajou para o Afeganistão para combater a ocupação russa. "Todos que o conheceram nos primeiros dias o respeitaram", diz o irmão Hassan, pegando a história. “No início, estávamos muito orgulhosos dele. Até mesmo o governo saudita o trataria de maneira muito nobre e respeitosa. E então veio Osama, o mujahid.

Um longo e desconfortável silêncio se segue, enquanto Hassan se esforça para explicar a transformação do irmão para o jihadista global. "Sou muito orgulhoso dele no sentido de que ele era meu irmão mais velho", ele continua. “Ele me ensinou muito. Mas eu não acho que estou muito orgulhoso dele como homem. Ele alcançou o estrelato em um palco global, e foi tudo para nada ”.

A família disse que viu Osama no Afeganistão pela última vez em 1999, um ano em que o visitaram duas vezes em sua base nos arredores de Kandahar. Em maio de 2011, ele foi morto em uma operação dos Estados Unidos no Paquistão.