Interior

MPE pede investigação de briga entre alunos de escola em Satuba

Redação TNH1 | 07/11/19 - 16h45 - Atualizado em 07/11/19 - 16h48
Reprodução

O Ministério Público do Estado de Alagoas (MPE/AL) requisitou à Polícia Civil, nesta quinta-feira, 07, a instauração do inquérito para investigar a briga entre dois alunos da Escola Estadual Manoel Gentil, em Satuba, Região Metropolitana de Maceió. O vídeo viralizou nas redes sociais nesta semana.

O promotor de Justiça da cidade, Lucas Sacshida, revelou que órgão vai acompanhar a apuração do caso até que o inquérito seja relatado. O delegado Manoel Wanderley já acatou o pedido do MPE e deu início às investigações. Ele esteve nessa manhã na casa dos pais dos menores para pedir que comparecessem à delegacia para prestar esclarecimentos.

Segundo o pai de um dos alunos envolvidos, a confusão teve início após os dois terem sido expulsos de sala de aula pelo professor, por estarem trocando "cola" para a prova. A unidade de ensino decidiu pela suspensão do adolescente agressor e do que filmou a ação.

Veja o vídeo:

Nesta manhã, o TNH1 conversou com Paulo Gomes da Silva, pai do estudante agressor, e ele revelou estar preocupado com a repercussão do caso, pois teme ameaças contra o filho. "Quando recebi o vídeo, fiquei nervoso, maluco. Não dormi, minha vida virou de pernas pra o ar. Somos amigos da família. Estou com medo pelas ameaças. Hoje, a rede social é uma arma. Sou pai e não desejo isso a ninguém", desabafou à reportagem.

Ele acredita que a escola também tem responsabilidade por não ter tomado a melhor medida para evitar a briga. Após terem supostamente trocado "colas", os estudantes não foram chamadas à direção, mas apenas mandados embora, segundo conta. 

O TNH1 não conseguiu contato com a diretora da escola, mas deixa o espaço aberto para a unidade de ensino se manifestar.

A mãe do aluno agredido informou, por meio de áudio compartilhado no Whatsapp, que o filho não está machucado e não quis registrar um Boletim de Ocorrência. Segundo ela, o pai do agressor procurou os familiares para oferecer apoio. 

Seduc lamenta episódio

A Secretaria de Estado da Educação emitiu nota em que lamenta e repudia o ato de violência e informa que os dois agressores já foram suspensos pela direção da escola e suas famílias foram convocadas, assim como o Conselho Tutelar. "O Conselho Escolar também vai se reunir para discutir o episódio e tomar as providências cabíveis. Desde já, reforçamos que buscamos sempre fomentar a cultura de paz, tolerância e o protagonismo juvenil em nossas escolas".