Polícia

Não tenho mais esperança de encontrá-lo com vida, diz esposa de Renildo

Dayane Laet | 18/11/19 - 07h02 - Atualizado em 05/12/19 - 11h08
José Renildo segue desaparecido | Arquivo Pessoal

A família do servente de pedreiro José Renildo Cassimiro da Silva, de 26 anos, que está desaparecido desde o dia 04 de outubro deste ano, não tem mais esperança de encontrá-lo com vida. Renildo desapareceu após ter sido abordado por dois guardas municipais no momento em que filmava um acidente de trânsito no distrito de Luziápolis, município de Campo Alegre, interior de Alagoas. 

Djéssica do Nascimento, esposa do desaparecido, conversou com a reportagem da TV Pajuçara neste sábado (16), e desabafou que tudo que a família quer agora é que a justiça seja feita. “Queremos que a pessoa que causou tanto sofrimento pague por seus atos e seja punida”, disse em entrevista que será veiculada por completo durante a programação do Balanço Geral Alagoas na próxima semana.

O pedreiro  mora com a família em Teotônio Vilela e desapareceu quando chegava na casa da sogra, para passar o fim de semana em Luziápolis. O servente de pedreiro deixou a residência na sexta à tarde, quando houve o acidente nas proximidades e decidiu gravar imagens. José Renildo é casado e tem três filhos, uma menina de 7 anos e dois meninos, um de 2 anos e outro bebê de 10 meses. 

Testemunhas disseram para a família que os guardas municipais estavam fardados e chegaram em uma viatura. Na abordagem, um deles teria tomado o celular da mão de José Renildo e o jogado no chão. Logo depois, teriam começado a bater no homem e tentaram colocá-lo dentro do carro, porém o jovem teria reagido.

No fim do expediente daquele dia, por volta das 19h, os guardas teriam informado para pessoas próximas que haviam deixado José Renildo em uma ladeira no sentido de Teotônio Vilela e afirmaram não ter feito nada contra ele. Amigos do servente de pedreiro foram ao local, mas não o encontraram.

Guardas devem ser desligados
A Prefeitura de Campo Alegre confirmou, por meio de nota, que um processo administrativo foi aberto para a demissão dos guardas envolvidos, e imagens do sistema de monitoramento de segurança do órgão já foram disponibilizadas para a Justiça, para dar seguimento ao processo investigatório. Os dois guardas envolvidos no caso de desaparecimento estão foragidos. 

Assista também:

"