Polícia

Operação Flashback II: 13 integrantes do PCC operavam de dentro do sistema prisional de AL

Eberth Lins | 28/07/20 - 12h53 - Atualizado em 28/07/20 - 13h11
Foto: Reprodução

Dos 98 alvos da operação Flashback II em Alagoas, desencadeada nesta terça-feira, 13 são custodiados, ou seja, atuam de dentro do Sistema Prisional do Estado.

A informação foi divulgada durante entrevista coletiva na sede da Polícia Federal, no bairro Jaraguá, no início da tarde desta terça-feira (28). A operação, que ainda está em andamento, cumpre 212 mandados de prisão em Alagoas e mais 10 estados.

A Flashback II está sendo realizada de forma integrada  com cerca de 1.000 policiais, entre federais, civis e militares.

Em Alagoas, a operação focou na desarticulação de mulheres que assumiram postos de comando no PCC, conhecidas  como 'damas do crime'. De acordo com a polícia, nos últimos quatro meses de investigação, as 'damas do crime' determinaram quatro execuções no 'tribunal do crime'. 

"O PCC passou a explorar presídios femininos, batizando mulheres na facção e atribuindo funções iguais às dos homens. Essas mulheres deixaram de passar mensagens ou transportar drogas, como era comum. Hoje eles atuam de forma harmônica entre si, mas núcleo masculino não interfere no feminino e vice-versa", explicou o chefe da Divisão de Investigação e Captura (Deic) da Polícia Civil de Alagoas, o delegado Gustavo Henrique. 

Segundo a polícia, não houve grandes apreensões, já que as investigações foram para atacar a cúpula do PCC. "Os líderes não ficam com o flagrante em si", pontuou o delegado.

As ações em Alagoas ocorrem em Maceió, que concentra o maior número de alvos, ao todo 73, e outros 10 municípios, totalizando 98 cumprimentos de mandados judiciais pelos agentes públicos.