Perigo das chuvas: assista na íntegra a série que radiografou o perigo das chuvas em Maceió

TNH1 com TV Pajuçara | 31/07/21 - 07h00 - Atualizado em 31/07/21 - 08h56

Todos os anos, as cenas e as tragédias se repetem. O tempo fecha, as chuvas se itensificam e a capital alagoana se transforma em um verdadeiro campo minado de alagamentos, deslizamentos de barreiras e encostas, nas mais de 500 áreas de risco monitoradas pela Defesa Civil em Maceió. Para o restante da população sobram ainda pontos de alagamentos, que deixam boa parte dos maceioenses ilhada em meio a ruas inundadas e a um trânsito caótico.

Mas, afinal, essa tragédia anunciada pode ter uma solução? Tiago Hélcias e Edson Moura foram às ruas conversar com pessoas que a cada chuva vivem momentos de tensão, muitas vezes com prejuízos muito mais do que materiais. Numa coprodução inédita na TV alagoana, nesta semana, você acompanhou no Balanço Geral Alagoas e no Cidade Alerta Alagoas a série "Perigo das Chuvas", um verdadeiro documento do drama vivido por muitos maceioenses, mas que pouco tem sido feito pelo poder público para deixar de fazer parte desse "calendário" triste e lamentável que assistimos a cada inverno na capital. Assista à série na íntegra:

► 1º Episódio - As tragédias que se repetem// No primeiro episódio, Edson Moura foi até áreas de risco como na Grota Santa Helena, onde o sono vai embora quando a chuva chega. Nessas áreas, moradores vivem o drama a angústia de que qualquer chuva mais forte pode tirar deles tudo que construíram em uma vida . Segundo a Defesa Civil da capital, Maceió tem 572 áreas em zonas de risco. 

Em 2017, uma forte chuva que começou numa sexta-feira e seguiu até um sábado dia 27 de maio deixou quatro pessoas mortas e 33 feridos em Maceió. Dois corpos foram encontrados na Grota Santo Amaro, no Tabuleiro do Martins. Outra vítima foi retirada morta dos escombros no bairro da Chã da Jaqueira. Assista: 


► 2º Episódio - Alagamentos recorrentes e prejuízos para moradores // No segundo episódio da série, Tiago Helcias esteve no bairro do Farol, em locais como o cruzamento entre a Rua Miguel Palmeira coma Antonio Murta, um antigo foco de alagamento toda vez que a chuva cai na capital.  O apresentador do Balanço Geral também mostra um outro problema que colabora com o perigo das chuvas, o lixo descartado de forma irregular . 

Tiago conversou com Marlon Neves, doutor em recursos hídricos e saneamento ambiental. Para ele, a cidade sofre hoje consequências de erros do passado, quando gestores esqueceram de preparar a cidade para o presente, e consequentemente para o futuro.  Maceió e outras grandes cidades brasileiras passaram por um processo de urbanização não levaram em conta futuras consequências, então a gente expandiu e impermeabilizou a cidade, sem planejamento. Assista: 


► 3º Episódio - O drama de quem mora nas áreas de risco// No terceiro episódio, o apresentador Edson Moura relembra o drama do deslizamento de terra que destruiu quatro casas e levou o pequeno Gabriel Benjamim, de apenas 10 meses, dos braços da mãe, no último dia 15 de junho, na Grota Santa Helena, em Bebedouro. O corpo da criança só foi encontrado por militares do Corpo de Bombeiros dez horas depois, soterrado em um córrego, em frente à casa da família. 

“Tá doendo muito, tá muito doloroso, acho que não vou suportar não”, chora Cristina da Silva, mãe da criança, em entrevista ao repórter Neto Motta, instantes depois que o corpo do menino foi achado. “A gente nunca imagina que vai acontecer com a gente, mas hoje eu estou sentindo na pele”, lamenta Anderson da Silva, pai do pequeno Gabriel. Os dois ficaram feridos.


► 4º Episódio - falta de drenagem contribuiu para o colapso do Pinheiro? No quarto episódio, Tiago Helcias entrevista especialistas sobre o caso do afundamento de solo provocado pela extração de sal-gema, que atingiu quatro bairros e fez mais de 60 mil pessoas deixarem suas casas.  Foram os moradores que registraram o surgimento das primeiras crateras que chamaram atenção para a gravidade do problema, na Rua Augusto Calheiros, no bairro do Pinheiro. Nas imagens, um poste de quase seis metros é parcialmente engolido pelo buraco. 

A princípio, cogitou-se que falhas na drenagem da região estariam diretamente ligadas ao desastre geológico. Os primeiros episódios de tremores de terra ocorreram após fortes chuvas na capital. O coordenador da CPRM, Thales Sampaio, o geólogo da Defesa Civil, Antonioni Guerrera, e o professor e engenheiro Abel Galindo falam sobre o assunto. Confira: 


► 5º  episódio- quais as soluções para quem vive nas grotas e encostas de Maceió// No último episódio da série "Perigo das Chuvas", especialistas apontam as soluções para os problemas causados pelas chuvas, principalmente nas áreas de encosta. O presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanisno de Alagoas (CAU-AL), Fernando Cavalcanti, chama a atenção para a formação geográfica peculiar de Maceió e a grande quantidade de grotas na capital. O CAU trabalha em conjunto com o governo do estado no projeto Vida Nova nas Grotas, que promove melhorias nessas áreas críticas de Maceió. Segundo Fernando, as mudanças na infraestrutura desses locais precisam de tempo para serem implantadas.