Polícia

Polícia identifica 5 suspeitos de matar jovem em Branquinha; arma é apreendida

João Victor Souza | 13/02/19 - 16h35 - Atualizado em 13/02/19 - 16h52
Neno Canuto

A Polícia Civil identificou cinco suspeitos de participação na morte do jovem Pedro Alves Santos de Araújo, de 20 anos, no município de Branquinha, interior de Alagoas. A informação foi passada ao Portal TNH1 pelo delegado Sidney Tenório, responsável pelas investigações, nesta quarta-feira (13).

Segundo Tenório, cinco pessoas, sendo três adolescentes, estão envolvidas no assassinato do jovem. Os nomes foram preservados para não atrapalhar o inquérito.

“Após ouvirmos algumas pessoas, chegamos à linha de que ele foi morto por envolvimento com o tráfico. Ouvimos dois menores e um adulto, que atribuíram os disparos a uma pessoa que veio de Maceió para executar o rapaz. Cinco pessoas teriam participado do crime", afirmou.

A vítima, que teve a identidade revelada no último dia 11 depois de exames realizados no IML, respondia a processos por tráfico, tentativa de homicídio e dano qualificado. No início das investigações, ela foi chamada de Wanderson Alves dos Santos, pois antes de morrer, o jovem teria dado este nome aos guardas municipais Jaelson Ferreira da Silva e Carlos Roberto da Silva durante a abordagem polêmica que ganhou repercussão na última semana.

Os agentes de segurança foram presos suspeitos de terem assassinado o jovem, porém, após novos depoimentos, a polícia descartou a participação dos dois. Eles foram soltos nessa terça-feira (12). Jaelson e Carlos Roberto serão investigados por abuso de autoridade, fraude processual e porte ilegal de arma de fogo. 

Arma apreendida

Ainda segundo o delegado, o revólver de calibre 38, possivelmente usado no crime contra Pedro, foi apreendido pela polícia em uma residência de um menor suspeito no último dia 30.

“Ela foi deixada pelo homem que atirou na vítima. Como ele foi para Maceió após a execução, preferiu não levar o revólver com medo de uma abordagem policial durante a viagem. Ele alegou que pegaria a arma em outro momento”, disse.

Um exame de confronto balístico com o projétil que foi retirado do corpo da vítima deve confirmar se a bala saiu do revólver apreendido pelos policiais. “A expectativa é que se comprove que o projétil dessa arma matou Pedro. Vamos esperar o exame”, disse.