Alagoas

Preocupação com 2ª dose faz governo repassar vacinas por demanda a municípios

Redação TNH1 | 27/05/21 - 17h04 - Atualizado em 27/05/21 - 17h14
Carla Cleto / Agência Alagoas

Em entrevista coletiva nesta quinta-feira, 27, o governador de Alagoas, Renan Filho, e o secretário de estado da Saúde, Alexandre Ayres, informaram que o governo tem aguardado os municípios informarem as demandas necessárias para repassar as novas doses da vacina contra Covid-19. O maior controle se deve à preocupação com o estoque de imunizantes para aplicar a segunda dose em quem já recebeu a primeira. 

"O pior fato na campanha de vacinação é dar a primeira dose ao cidadão e não ter a segunda dose para aplicar. O Ministério da Saúde cometeu um erro grave, ao meu ver, estimulando os estados a anteciparem a segunda dose do passado como primeira, depois não veio a segunda dose e as pessoas ficaram sem se vacinar. O que gerou um pânico na sociedade. Não queremos mais viver esse tipo de coisa, principalmente porque Fiocruz e Butantan estão muitas vezes tendo muitas dificuldades em acessar insumos necessários para produzirem vacinas, o que significa uma insegurança maior. Então, teremos sim que resguardar as segundas doses para quem tomou a primeira", explicou Renan Filho.

O governador ressaltou ainda que muitas pessoas que possuem comorbidades só estão conseguindo a declaração médica agora, o que passa a ser prioridade seguindo o Plano Nacional de Imunização. Essa questão e a lenta chegada de vacinas dificultam o avanço da imunização para a faixa etária simples de pessoas sem comorbidades.

"A Fiocruz tem anunciado a interrupção da sua produção. O Governo de Alagoas, de maneira prudente, tem armazenado, estocado essas doses para garantir a segunda dose dos cidadãos que já foram vacinados com a primeira. Fizemos um chamamento à AMA e ao Conselho de Secretários Municipais de Saúde para que os municípios apresentem quais as suas demandas reprimidas, já que Maceió tinha anunciado que tinha encerrado a vacinação dos grupos prioritários, inclusive, destacando a primeira capital do Brasil. É muito importante essa aceleração para Alagoas, porque distensiona a ocupação hospitalar, mas solicitamos de Maceió e demais municípios que apresentem quais as necessidades para que o governo de AL possa liberar essas doses, porque a prioridade agora é a gente ter segunda dose para todos os alagoanos que tomaram a primeira", disse o secretário Alexandre Ayres.

A distribuição de doses para a vacinação para a categoria de pessoas sem comorbidades será feita de acordo com a resposta da demanda dos municípios.