Alagoas

Renan Filho diz que foco é a vacina: não adianta flexibilizar sem pensar em leitos e tratamento de quem adoece

Eberth Lins com Gilson Monteiro | 08/01/21 - 11h03 - Atualizado em 08/01/21 - 15h03

O governador Renan Filho (MDB) comentou as medidas tomadas pela Prefeitura de Maceió, que liberou o trabalho dos músicos em bares e restaurantes e estuda a reabertura de cinemas.

Renan Filho pediu “serenidade e responsabilidade” aos gestores municipais, e disse que “não viu sentido prático" nas medidas do prefeito JHC. Para o governador, não basta flexibilizar sem investir na estrutura de tratamento ao paciente com Covid-19.

"O governo acha que atividades não essenciais neste momento devem ser tratadas com toda a prudência. A prefeitura fez um decreto que autorizava os músicos voltarem no mesmo dia em que o decreto do governo acabava. Não vejo muito sentido prático nisso”, rebateu o governo, enfatizando que quando o cidadão adoece vai para a rede hospitalar 100% financiada pelo estado.

"É muito importante que, além de flexibilizar ações, todos os agentes municipais em Alagoas pensem também em ampliar leitos, ter testes, oferecer tratamento médico à população. Não adianta num ano de uma pandemia internacional pensar na flexibilização sem pensar em tratamento a quem adoece. É importante que nesse momento a gente tenha serenidade, responsabilidade, trabalhemos integradamente, porque, quando o cidadão adoece, ele vai para rede hospitalar estadual, 100% financiada pelo estado”, disse Renan, em coletiva durante a posse de Alfredo Gaspar na Secretaria de Segurança Pública.

“O principal é a vacina”

Sobre a expectativa para a tão sonhada vacina contra o novo coronavírus em Alagoas, o governador colocou a imunização como maior meta do momento, inclusive pelos efeitos na economia, com o retorno à normalidade.

“Nós enfrentamos a Covid em Alagoas com quatro novos hospitais e novas UPAs. A vacina vai chegar a todos até que tenhamos uma imunidade de rebanho. Se o Governo Federal for demorar a adquirir a vacina, nós já nos colocamos à disposição para comprar as doses junto ao Butantan. Nada é mais importante economicamente do que vacinar sua população. Se a população estiver vacinada, consequentemente a economia vai ter mais força para voltar. O principal neste momento é adquirir a vacina”, disse o governador.

CoronaVac: Alagoas é incluída no plano nacional

O anúncio do Ministério da Saúde sobre a assinatura de contrato junto ao Instituto Butantan para o fornecimento de 100 milhões de doses da vacina CoronaVac coloca Alagoas, de forma definitiva, no Programa Nacional de Imunização (PNI) voltado à prevenção da Covid-19. Segundo o órgão federal, o contrato envolve a compra inicial de 46 milhões de unidades, prevendo a possibilidade de renovação para aquisição de mais 54 milhões de doses posteriormente, chegando a um total de 100 milhões.

A informação foi celebrada na noite desta quinta-feira (7) pelo secretário de Estado da Saúde, Alexandre Ayres, que relembrou que o Governo do Estado já havia pactuado com o Governo de São Paulo, em meados de dezembro, a intenção de compra de 1 milhão de doses do imunizante, desenvolvido pelo Butantan em parceria com o grupo chinês Sinovac. Leia mais