Cultura

Tradicional grupo cultural Seresteiros da Pitanguinha anuncia o fim das atividades

Contexto Alagoas | 21/06/21 - 11h14 - Atualizado em 21/06/21 - 11h19
Reprodução

O tradicional grupo cultural Seresteiros da Pitanguinha anunciou, por meio de nota de um dos seus diretores, que encerrava suas atividades após quase 27 anos de existência.

O comunicado, datado de 14 de junho de 2021 e assinado por Alfredo Gazzaneo Brandão, justifica que a decisão tomada é “mais uma ação negativa dessa louca pandemia que mudou radicalmente a vida de todos nós. Mexeu com o emocional e com o financeiro trazendo consequências negativas para a maioria das pessoas”.

Gazzaneo, que também é músico e compositor, informa ainda que a sede da agremiação foi invadida por arrombadores que deixaram “limpas as salas e os espaços antes recheados de bens materiais e, de lembranças, conseguidos ao longo do tempo”.

“Voltar à nossa sede, depois da visita dos invasores, foi deprimente”, lamenta Gazzaneo.

Explica ainda o dirigente que os Seresteiros eram mantidos por recursos obtidos com os eventos e com a dedicação dos seus membros, principalmente pelo empenho do presidente Emmanuel Fortes e de Irene Lyra, que aos 92 anos de idade administrava a sede.

Histórico

O grupo Seresteiros da Pitanguinha surgiu a partir de 4 de outubro de 1994, quando amantes da boa música resolveram reviver as antigas serestas e percorreram as ruas do bairro da Pitanguinha, em Maceió, naquela noite de sexta-feira.

A seresta se repetia toda primeira sexta-feira de cada mês e logo se transformou num amplo movimento cultural e social, o que levou seus dirigentes, em 9 de setembro de 2003, a registrarem a Organização Cultural Serenata da Pitanguinha.

Entre 2000 e 2003, os Seresteiros também se constituíram enquanto bloco carnavalesco. A partir de 2004, optaram por organizar o Baile de Máscaras dos Seresteiros da Pitanguinha, que veio a ser o maior evento carnavalesco de Alagoas em ambiente fechado. Em 2010 surgiu também o Bailinho dos Seresteiros da Pitanguinha.

Essa história de inegável contribuição à cultura alagoana traz conforto para Alfredo Gazzaneo, que declara saber que além das saudades, os Seresteiros deixam a certeza do papel cumprido como fomentadores de cultura e disseminadores da arte e da alegria dentro e fora do Estado de Alagoas.

O principal compositor do grupo finaliza lamentando que estejam saindo de cena, mas, simbolcamente, “pelas ruas da Pitanguinha, seus cantores acompanham o cortejo, mudos, em respeito aos milhares de mortos, vítimas deste mal tão devastador, que sufocou e matou também nossos sonhos”.

Veja aqui a Nota na íntegra:

É CHEGADA A HORA

A vida não é feita só de alegria e felicidade. Dela também fazem parte a tristeza, a melancolia e a saudade.

Para tudo existe um momento, o tempo certo. Difícil é aceitar que não dependem da nossa vontade. Estão previstos, determinados mas não temos a capacidade de perceber como, quando e por que. Simplesmente acontecem e entristecem, magoam e deprimem.

É este o meu sentimento, neste momento. Assistir ao final de um espetáculo, ao encerramento de um ciclo, ao desfecho de uma rica história na qual sou um dos atores, não fazia parte dos meus planos.

Presenciar o fechamento das cortinas é muito diferente da emoção de vê-las se abrir. Sair de cena, para quem se sente um artista, é muito triste, principalmente quando tomamos consciência de que é o último ato, o fim da temporada.

Mais uma ação negativa dessa louca pandemia que mudou radicalmente a vida de todos nós. Mexeu com o emocional e com o financeiro trazendo consequências negativas para a maioria das pessoas.

Voltar à nossa sede, depois da visita dos invasores, foi deprimente.

Não sei como denominá-los: se os chamo de meliantes, arrombadores, ladrões, ou se, preferindo imaginá-los nossos fãs, do tipo que avançam querendo tirar até o sangue dos seus ídolos, de loucos, por terem feito essa invasão, cometido essa violência, deixando limpas as salas e os espaços antes recheados de bens materiais e, de lembranças, conseguidos ao longo do tempo.

Nossa Organização se mantém através de recursos provenientes da realização de eventos, do esforço pessoal e financeiro do nosso presidente Emmanuel Fortes e da dedicação dos seus membros e de pessoas como Irene Lyra, que nos seus noventa e dois anos de idade, assume totalmente a responsabilidade da administração e controle da nossa sede.

Não temos aporte financeiro nem através de contribuição dos seus membros, nem do poder público. Arte e cultura no nosso estado não são devidamente valorizadas e muito menos, subsidiadas.

Como já falei anteriormente, para tudo existe um momento, o tempo certo, e chegou o nosso.

Tenho que entender, aceitar e, a partir de agora, administrar, seguindo em frente. Para trás ficarão as lembranças e as realizações dos quase vinte e oito anos de luta, de conquistas, empenho e dedicação em prol da arte e da cultura da nossa terra.

As primeiras sextas-feiras de cada mês, que estiveram mudas durante esses dezoito meses de reclusão, sem perspectiva concreta de reabertura das porteiras, de retomada do ritmo e da normalidade da vida, emudecem agora, de forma definitiva.

Que falta farão os pierrôs e colombinas e que falta faremos aos nossos foliões que esperavam ansiosamente a chegada do carnaval para pular no maior baile de Maceió? Festas sadias, onde as famílias brincaram durante dezessete anos num clima de paz, onde reinava a segurança e a alegria!

E o que dizer dos nossos artistas, que estão sem palco, sem casas de espetáculos, sem espaços para realização de eventos?

Impressiono-me com a intensidade que sinto a grandeza do nosso trabalho na hora em que tomo consciência de que acabou o tempo, de que chegou ao fim.

Sentirei muita falta do convívio do grupo, da família que é a nossa Organização.

Conforta-me saber que além das saudades deixaremos a certeza do cumprimento do nosso papel como fomentadores de cultura e disseminadores da arte e da alegria dentro e fora do Estado de Alagoas.

Enfim, sai de cena a Seresta da Pitanguinha, sem violões, cavaquinhos e percussão. Apenas seu estandarte faz evoluções provocadas pelo vento frio e forte da última caminhada.

Pelas ruas da Pitanguinha, seus cantores acompanham o cortejo, mudos, em respeito aos milhares de mortos, vítimas deste mal tão devastador, que sufocou e matou também nossos sonhos.

Maceió, 14 de junho de 2021

Alfredo Gazzaneo Brandão