Alagoas

Vacinação: médico e vice-presidente da AMA quer incluir servidores da Educação no grupo prioritário

Gilson Monteiro | 14/01/21 - 15h03 - Atualizado em 14/01/21 - 15h15
Fernando Lira: Precisamos vacinar Educação e Saúde para voltar às atividades | Foto: Site A Notícia

Na expectativa para o início da vacinação contra a Covid-19, as prefeituras começam a planejar a imunização, ainda cercados de incertezas diante das poucas informações vindas do Ministério da Saúde.

Nesta sexta-feira, 15, os próximos passos da imunzação (compra de seringas, escolha do público prioritário etc) no estado vão ser tratados em uma reunião entre Associação dos Municípios de Alagoas (AMA) e o Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de Alagoas, o Cosems. 

Em entrevista ao TNH1, o vice-presidente da AMA, Fernando Sérgio Lira (PP), que  é médico, disse que vai discutir com os demais gestores a inclusão dos profissionais da Educação no grupo prioritário da campanha de imunização, o que deve acontecer pelo menos em Maragogi, cidade do Litoral Norte onde tomou posse para um segundo mandato no último dia 1º.

Para Lira, já que crianças menores de 12 anos não vão ser vacinadas num primeiro momento, e as aulas presenciais já estão se aproximando, o ideal era evitar o risco aos profissionais que trabalham nas escolas. 

"A ideia é vacinarmos todos que atuam na Educação, do professor ao técnico, todos, que não tiveram Covid ou que já tenham tido há pelo menos seis meses. Assim como na Saúde, temos que vacinar todo mundo", afirma o prefeito,

Pelo Plano preliminar de vacinação contra a Covid-19 divulgado pelo Ministério da Saúde em dezembro passado, os professores estão incluídos na quarta e útlima fase, junt com forças de segurança e salvamento e funcionários do sistema prisional.

`É preciso vacinar os profissionais para colocar a Educação e a Saúde na ativa novamente, vacinados, para que voltemos com essas atividades", ressaltou.

Volta às aulas

Ele defende o retorno das aulas o mais rápido possível, obedecendo aos protocolos sanitários. Em Maragogi, a volta às aulas está marcada para 1º de março.

"Temos que retornar com às aulas presenciais. Os casos de abusos de crianças aumentaram, falta estrutura nas famílias para ficar com as crianças em casa o tempo todo, fora a evasão escolar que pode acontecer futuramente com as crianças tanto tempo fora da escola", afirma o gestor. 

A reunião desta sexta-feira acontece na sede da AMA, no Farol.