Alagoas

Veja as cidades alagoanas com maior incidência de Covid-19

Redação TNH1 | 21/07/21 - 11h39 - Atualizado em 21/07/21 - 12h02

Em todo o estado de Alagoas já foram contabilizados 226.411 casos confirmados de Covid-19 e 5.671 óbitos, de acordo com os dados divulgados no Boletim Epidemiológico da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) dessa terça-feira (20). No ranking do número de casos por município por residência, a capital, Maceió, aparece no topo da lista com 85.838 e 2.466 óbitos, a segunda cidade com maior número de casos é Arapiraca, que já chegou a marca de 30.183 casos e 486 óbitos. Marechal Deodoro é a terceira  do ranking, com 6.481 e 109 óbitos pela doença.

Em números decrescentes, a cidade de Jaramataia que fica no Sertão do estado tem o menor número de casos e mortes por covid-19, com 113 confirmados e 2 óbitos, a terceira cidade alagoana, com 12 casos a menos é Belém, com 125 casos e 7 mortes. Por último Pindoba, a terceira cidade com o menor número de casos e óbitos de todo o estado, com 135 casos e 2 óbitos. 

Interior

Depois das duas maiores cidades do estado, Marechal Deodoro - 3ª no ranking geral- chama a atenção pelo número de casos.  Sobre esse índice alto, o TNH1 entrou em contato com a assessoria de comunicação do município, A assessoria informou que desde o início da pandemia a estratégia de testagem em massa foi implantada na cidade, havendo três centros, o que, segundo eles, justificam a quantidade de casos confirmados de Covid-1.

“Existem municípios com um índice pequeno de casos, mas esses não realizam nenhum tipo de testagem na população, Marechal está em queda no número de casos” dise a assessoria. 

Cuidados sanitários devem continuar

Vale ressaltar que apesar de os números da Covid-19 estarem em queda, a população não pode relaxar nas medidas sanitárias.  Em documento recente, a Fiocruz alertou que as medidas de combate à transmissão da doença devem continuar sendo adotadas por estados e municípios até que seja decretado o fim da pandemia no Brasil. O lockdown continua a ser recomendado para todos os locais com taxa de ocupação de leitos de UTI maior que 85%, e um conjunto de medidas deve ser mantido pelos demais gestores públicos.