Alagoas

Veja onde serão realocadas as escolas dos bairros com instabilidade de solo

Tiago Logan* | 03/05/21 - 17h10 - Atualizado em 04/05/21 - 15h14
Marco Antônio/Secom Maceió

A Prefeitura de Maceió, por meio da Secretaria Municipal de Educação (Semed), divulgou, nesta segunda-feira (3), a realocação provisória de cinco escolas municipais situadas nos bairros Pinheiro e Bebedouro, em Maceió, em decporrência da instabilidade do solo provocada pelas atividades de mineração da Braskem. De acordo com informações da Secretaria de Estado da Educação (Seduc), repassadas durante audiência pública nesta segunda-feira, na Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE), outras cinco escolas estaduais também serão realocadas.

Escolas municipais:

  • A Escola Municipal Radialista Edécio Lopes, com 434 alunos, localizada no Pinheiro, será transferida para o antigo Colégio Laércio Rosa, no Jardim Petrópolis III;
  • A Escola Municipal Padre Brandão Lima, com 160 alunos, localizada no Pinheiro, será realocada para o prédio onde funcionou o Instituto Santa Bárbara, no Antares;
  • A Escola Municipal Major Bonifácil da Silveira, com 196 alunos, localizada no Bebedouro, será transferida para a antiga Escola Semente, na Pitanguinha;
  • A Escola Municipal Infantil Luiz Calheiros Júnior, com 224 alunos, localizada no Pinheiro, será mudada para a Escola Projeto Eco Kids, situada na Serraria;
  • O Centro Municipal de Educação Infantil Braga Neto, com 254 alunos, localizado no Pinheiro, ainda não tem um prédio definido. Segundo a Semed, o que dificulta o processo de transferência é o fato de a unidade atender crianças pequenas, que não usam transporte escolar.

A Semed informou que todos os prédios alugados são de escolas que pertenciam à+ rede privada de ensino, mas que foram desativadas devido aos efeitos da pandemia.

Escolas estaduais

De acordo com a Secretaria de Estado da Educação (Seduc), serão realocadas cinco escolas da rede estadual que compõem a área de criticidade 00. São elas:

  • Escola Estadual José Correia da Silva Titara (Cepa), com 609 alunos e 15 servidores, será transferida para a Rua do Antigo Cajueiro, S/N, na Massagueira - Marechal Dedoro;
  • Escola Estadual Alberto Torres (Bebedouro), com 537 alunos e 39 servidores, será transferida para a Ladeira Professor Benedito Silva, nº 159, na Chã de Bebedouro;
  • Escola Estadual Nossa Sra. do Bom Conselho, com 557 alunos e 43 servidores, será realocada para a Ladeira Professor Benedito Silva, nº 159, na Chã de Bebedouro;
  • Escola Estadual Rosalvo Ribeiro (Bebedouro), com 736 alunos e 18 servidores, será realocada para o Conjunto Residencial Jarbas Oiticica, Quadra G-1, Mata do Rolo, em Rio Largo;
  • Escola Estadual Professor José Vitorino da Rocha (Cepa), com 128 alunos e 22 servidores, será realocada para a Rua Antônio Procópio, nº 166, no Farol.

As oito escolas que estão inseridas na área de criticidade 01, de monitoramento, permanecem por enquanto no mesmo local de origem. São elas:

  • Escola Estadual Professor Laura Dantas Santos da Silva, com 684 alunos e 41 servidores, localizada no Cepa (Farol);
  • Escola Estadual Moreira e Silva, com 1.298 alunos e 93 servidores, localizada no Cepa (Farol);
  • Escola Estadual Princesa Isabel, com 376 alunos e 35 servidores, localizada no Cepa (Farol);
  • Escola Estadual Professor Afrânio Lages, com 380 alunos e 38 servidores, localizada no Cepa (Farol);
  • Escola Estadual Maria Rosália Ambrozzio, com 291 alunos e 23 servidores, localizada no Cepa (Farol);
  • Escola Estadual Cincinato Pinto, com 258 alunos e 22 servidores, localizada na Rua General Hermes, nº 1511, localizada no bairro Bom Parto;
  • Centro de Formação Prof. Ib Gatto, com 14 servidores, localizado no Cepa (Farol);
  • Centro de Ciências e Tecnologia da Educação (Cecite), com nove servidores, localizado no Cepa (Farol).

Seduc

Embora a Seduc tenha apresentado as informações acima à Braskem e aos deputados durante audiência na ALE, com a lista das cinco escolas localizadas em áreas onde é recomendada a realocação, a assessoria de comunicação da Seduc informou que, no momento, "nenhuma escola da rede estadual está em processo de realocação".

Leia a nota na íntegra:

A Secretaria de Estado da Educação esclarece que nenhuma escola da rede estadual está em processo de realocação.

Nem mesmo as do Cepa, onde há áreas em monitoramento preventivo, por causa do fenômeno que atinge o bairro Pinheiro, nos arredores do Complexo Educacional de Pesquisas Aplicadas.

As informações da pasta são comunicada de modo oficial nos canais de comunicado da Seduc, como o site e as redes sociais. Qualquer alteração será comunicada à toda sociedade e à imprensa.

Plano de combate

Em uma reunião realizada hoje na Assembleia Legislativa de Alagoas, as comissões de Educação, Cultura, Esporte e Turismo e de Meio Ambiente e Proteção dos Animais da Assembleia Legislativa, junto com a comissão especial do Pinheiro, Mutange e Bebedouro, discutiram o plano de contratação de empresa especializada para o diagnóstico completo dos efeitos da tragédia na Educação da capital e as ações necessárias para solucionar os problemas por parte da Braskem.

*Estagiário, sob supervisão da Editoria