Trânsito

Vídeos: maceioenses enfrentam engarrafamento no Farol e outros bairros

Redação TNH1 | 02/09/20 - 09h02 - Atualizado em 02/09/20 - 09h57
Redes Sociais

Os maceioenses que precisaram passar pela Avenida Fernandes Lima e ruas próximas para ir ao trabalho na manhã desta quarta-feira, 02, enfrentaram um grande engarrafamento devido ao protesto de rodoviários que reivindicaram o pagamento de direitos trabalhistas da empresa de ônibus Veleiro.

Os manifestantes fecharam parcialmente a Fernandes Lima, uma das prinicipais vias de Maceió, e o trânsito travado afetou o Farol e outros bairros da capital. 

Pinheiro registra trânsito pesado nesta manhã (Crédito: Bruno Protasio/TV Pajuçara)

Imagens enviadas por internautas à redação do TNH1 mostraram a lentidão no trânsito nos bairros Pinheiro e Pitanguinha. Os motoristas tentaram fugir do congestionamento e utilizaram vias paralelas à pista, porém também se depararam com as ruas tomadas por veículos.

Congestionamento atinge o bairro de Pitanguinha (Crédito: Eberth Lins/TNH1)

No Eixo Viário Quartel, criado como alternativa para desafogar a Fernandes Lima, os condutores encararam horas de trânsito pesado. Veja o vídeo abaixo gravado no bairro de Pitanguinha:

No Pinheiro, nas Ruas Manoel Menezes, José da Silveira Camerino e Virgínio de Campos, três das mais utilizadas por condutores para "cortar caminho" para chegar à Fernandes Lima, também houve registro do trânsito parado. Assista:

Os internautas também informaram que houve engarrafamento em bairros como Bebedouro, Gruta de Lourdes, na Avenida Rotary e outros trechos da parte alta de Maceió. 

Agentes da Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT) foram acionados para controlar o fluxo de carros na Fernandes Lima. 

O protesto

Os ex-funcionários da Veleiro bloquearam parte da Fernandes Lima por volta das 7h30 de hoje e liberaram inicialmente apenas a faixa da esquerda, sentido Tabuleiro/Centro, para a passagem de carros de pequeno porte e motocicletas. Os ônibus que seguiam pela faixa azul foram impedidos de continuar o trajeto. 

Há dois dias, o grupo esteve nas proximidades do Cepa e cobrou o pagamento de direitos trabalhistas que, segundo eles, não foi feito pela empresa de ônibus. As principais reivindicações foram: a quitação dos salários atrasados, o pagamento do FGTS e as indenizações após demissão de mais de 140 trabalhadores.

Na ocasião, os manifestantes também pediram uma audiência com o Ministério Público do Trabalho (MPT) para tratar sobre o assunto, porém o novo protesto acontece por não ter nada novo sobre a negociação.

TNH1 tentou contato com a Veleiro, mas até o momento não obteve retorno. 

(Cortesia/Italo Albuquerque)
(Cortesia/Girley)
(Cortesia/Girley)
(Redes Sociais)