Alagoas

723 mil alagoanos serão vacinados nas três primeiras fases da imunização contra covid-19

Redação TNH1 | 20/01/21 - 08h35 - Atualizado em 20/01/21 - 16h39
Itawi Albuquerque / TNH1

O Plano Estadual de Vacinação contra a Covid-19 em Alagoas prevê a vacinação de 723.363 pessoas em três fases neste primeiro momento. A primeira fase, que começou nessa terça-feira, 19, com a imunização da primeira dose em mais de 500 pessoas, aborda profissionais da saúde, idosos acima de 75 anos e indígenas. 

De acordo com os dados do Plano Estadual, a primeira fase vai abranger um total de 193.505 pessoas, sendo 85.991 trabalhadores da Saúde, 98.669 idosos acima de 75 anos, 1.246 idosos institucionalizados (acima de 60 anos) e 7.599 indígenas. 

Já na segunda fase, que será dedicada exclusivamente aos idosos com idade entre 60 e 74 anos, a expectativa é que 284.437 pessoas sejam imunizadas.

A terceira fase é destinada a 245.421 alagoanos que têm comorbidades (diabetes mellitus, doenças cardiovasculares e cerebrovasculares, doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), hipertensão arterial grave, doença renal, obesidade mórbida (IMC≥40), câncer e anemia falciforme, além de indivíduos transplantados de órgãos sólidos).

Alagoas recebeu 87.760 doses da CoronaVac, vacina produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a empresa chinesa Sinovac. Neste início serão vacinados aproximadamente 6.300 profissionais de saúde do setor público, indígenas, e pessoas com mais de 75 anos que vivem em abrigos. 

Para que as projeções de vacinação dessas fases sejam executadas o mais rápido possível, o governador de Alagoas, Renan Filho, afirmou que a produção doméstica de vacinas no Brasil precisa ser iniciada o quanto antes. 

"Nenhum estado vai receber vacina de outro. Toda distribuição de vacina no Programa Nacional de Imunização será distribuída proporcionalmente à população de cada estado. Hoje todos os estados no Brasil receberam a mesma quantidade de doses relativamente à sua população. Isso significa que não haverá um estado na frente do outro. O que precisamos ter é a produção doméstica de vacinas. Essas vacinas vieram de outros países para o Brasil nessa primeira leva. As próximas levas terão que ser produzidas aqui", explicou o governador na terça-feira, durante a primeira imunização no Hospital Metropolitano de Maceió.