Brasil

Amigos, colegas de profissão e clubes lamentam morte do jornalista Rodrigo Rodrigues

Redação TNH1 | 28/07/20 - 14h03 - Atualizado em 28/07/20 - 14h19
Reprodução

Amigos, colegas de profissão e clubes de futebol lamentaram a morte do jornalista e apresentador do SporTV, Rodrigo Rodrigues, que faleceu nesta terça-feira aos 45 anos no Rio de Janeiro. Rodrigo foi diagnosticado há 15 com o novo coronavírus. Desde então, estava em casa e afastado do trabalho. No último sábado ele deu entrada na emergência do hospital e teve confirmada trombose venosa cerebral.

Companheiros do Grupo Globo, amigos de profissão, profissionais de futebol e muitos clubes do futebol brasileiro utilizaram as redes sociais para prestar uma última palavra de homenagem ao apresentador. Veja abaixo. 

Ver esta publicação no Instagram

RR se foi. Está consumado. Ainda falamos na quinta e na sexta-feira. Nāo nos despedimos. Quase sempre nāo damos adeus para quem se vai definitivamente. Nunca esperamos. Nunca prevemos. Nunca imaginamos. No fundo, entendemos que nāo acontecerá conosco e com os nossos. Mas a dor nāo tem endereço. Queria muito trabalhar com RR. Ficamos amigos pelo telefone. Nāo lembro como. Acho que foi por causa do Bate-Bola da hora do almoço, na ESPN Brasil. Ele apresentava, com debates de Lúcio de Castro, Mauro Cezar Pereira e PVC. Começamos a trocar idéias. E ele sempre dizia que nos divertiríamos muito juntos no estúdio. E assim foi. Eu gargalhava no ar com ele. Ele fazia o mesmo. A última foi no dia 10 de julho. Tá postada lá na timeline dele. “Vamos à cabine do Maracanā, onde estāo Luiz Carlos Jr e Ledio Carmona, sempre simpaticíssimo, um ombro amigo, com muito afeto”. Assim ele sempre me apresentava. Eu me esbaldava de rir. Tínhamos química. Éramos amigos e havia conforto e espontaneidade na amizade. Durou pouco, mas foi bom demais. RR era leve, energia boa, deixava qualquer um a vontade. É muito doloroso. Ele nāo merecia. Nós também nāo. E o álbum das nossas vidas a cada dia fica com as páginas mais vazias. Em menos de 15 anos perdi avó, pai, tio, madrinha, grandes amigos e irmāos, referências, gente querida. É um recado claro de que a vida escorrega com o tempo. Até 2006, só perdi meu avô, em 1981. A partir de 2006, uma avalanche de gente querida. Como Rodrigo Rodrigues, com quem sempre quis trabalhar e conviver e tive esses dois anos de presente. Estou mal, péssimo, desorientado. Precisamos seguir. E lembrar muito dele. Como de todos que nos fazem tanta falta. Rodrigo era tāo especial que, no dia em que se vai, ele nos oferece o choro da perda, porém, ao mesmo tempo, nos permite sorrir com tantos momentos que vivemos. Que consigamos conviver com mais esse pesadelo. Sobe em paz, RR.

Uma publicação partilhada por Ledio Carmona (@dom_carmo) a