Polícia

Delegado pede “prudência” no caso de jovem supostamente envenenado

Namorada de Rafael Calheiros é apontada pela família do jovem como principal suspeita de cometer o envenenamento

Eberth Lins | 09/01/19 - 14h40 - Atualizado em 09/01/19 - 15h02
Rafael Calheiros morreu supostamente envenenado | Arquivo pessoal

O delegado Ronilson Medeiros, responsável pelas investigações acerca da morte de Rafael Calheiros dos Santos, de 21 anos, que morreu supostamente envenenado, informou nesta quarta-feira (09) à reportagem do TNH1 que não vai divulgar mais informações sobre o caso.

“A investigação está em andamento e não é prudente falar sobre o mesmo neste momento”, pontuou o delegado, acrescentando tratar-se de “um caso polêmico”.

A mãe do jovem Marcia Calheiros dos Santos, que hoje informou acatar o sigilo solicitado pela polícia, por diversas vezes afirmou que tem convicção de que Rafael foi envenenado pela namorada. A afirmação, inclusive, já foi feita em depoimento à polícia.

Já o advogado da suspeita, Gilson Tenório, disse em entrevista ao programa Fique Alerta, da TV Pajuçara, no último dia 27, que o laudo cadavérico descartou a tese de envenenamento apontada pela família do jovem. A informação não foi confirmada pela polícia.

Rafael Calheiros morreu no Hospital Geral do Estado (HGE) no dia 24 de novembro, 10 dias após dar entrada com um quatro de intoxicação apresentando estado de saúde considerado gravíssimo. Ele tinha sido transferido da Unidade de Pronto Atendimento (UPA), onde procurou ajuda após ingerir uma vitamina que, supostamente, continha “chumbinho”, um conhecido veneno para matar ratos.