Justiça

Irmãos Cavalcante entram em contradição sobre morte do cabo Gonçalves

22/08/19 - 17h51 - Atualizado em 22/08/19 - 18h46

De acordo com informações do Ministério Público Estadual (MPE), durante depoimento no Tribunal do Júri, no Fórum do Barro Duro, na tarde desta quinta (22), o ex-tenente-coronel Manoel Cavalcante e o irmão dele, Marcos Cavalcante, entraram em contradição em relação aos depoimentos anteriores sobre o assassinato de José Gonçalves da Silva Filho, o cabo Gonçalves, em maio de 1996. 

Nos primeiros depoimentos, eles confessaram detalhes sobre o plano de matar. Na tarde desta quinta, porém, Cavalcante disse que   'o depoimento anterior foi todo montado na Polícia Federal’. Ele teria sido convidado a assumir com a garantia de que seria beneficiado com a liberdade. “Na verdade, o que o sistema queria era comprometer os deputados”, disse em seu depoimento.

O irmão dele, Marcos Cavalcante, que havia confirmado a mesma versão anterior do irmão, disse que assumiu participação no crime para ajudar o ex-tenente-coronel. "Vi meu irmão tão acabado que me fizeram a proposta para assumir o crime e eu aceitei para salvá-lo. Porque disseram que se eu assumisse que tinha matado, meu irmão saíria do presídio".

O juiz leu diversas vezes os depoimentos anteriores e questionou os réus: " Quero que o senhor afirme, de acordo com o que fala hoje, afirma que mentiu para a Justiça nas outras vezes?'.

O promotor de Justiça também afirmou não entender o novo posicionamento. "Se o senhor e seu irmão tiveram chance de colocar a outra versão em 2011, por que somente hoje decidiram mudar os depoimentos?"