Televisão

Jô Soares se emociona no programa e defende José de Abreu e Chico Buarque

28/04/16 - 12h04 - Atualizado em 28/04/16 - 12h04
Reprodução/TV Globo

Diante de um cenário político polarizado, o Brasil vive a era da intolerância política. O assunto foi tema da edição dessa quarta-feira do quadro Meninas do Jô do programa de Jô Soares na Globo. A conversa foi com as jornalistas Cristina Serra, Lillian Witte Fibe, Natuza Nery, Mara Luquet e Cristiana Lobo. O apresentador saiu em defesa do ator José de Abreu e do cantor, compositor e escritor Chico Buarque, que se declaram abertamente a favor do governo petista.

"Me espanta cada vez mais o ambiente de impaciência que o Brasil está vivendo. Esse episódio que aconteceu com o José de Abreu é constrangedor. Um cidadão não pode sair com sua mulher para jantar que é obrigado a ouvir insultos terríveis. Disseram horrores sobre a mulher dele", disse, ao se referir ao episódio do último fim de semana, quando o ator cuspiu em um casal que o xingava. "A reação dele foi levantar e dar uma cusparada no casal, que também é uma reação movida por um "não aguentar mais"", comentou.

Jô Soares também recordou a situação constrangedora vivida por Chico Buarque, que foi abordado por um grupo de homens contra o governo que questionavam e xingavam - "Chico Buarque, você é um merd*", falou um deles.  "A pessoa não pode ter uma opinião ou tendência política que é condenada. Isto está ficando igual ao comportamento de alguns deputados no Congresso, que também é lamentável", disse.

"O Chico Buarque não pode sair de casa sem ser agredido ou ofendido. O Chico é um patrimônio deste país. Eu fico comovido e com vergonha. Feliz o país que tem um Chico Buarque. Um cara que deveria ser reverenciado, mas ao invés disso sai de casa com os amigos e é agredido de uma forma mesquinha. Desculpa, mas precisava fazer esse desabafo", exaltou.