Alagoas

Morre em Maceió o desembargador Orlando Manso, ex-presidente do TJ e TRE/AL

TNH1 com Assessoria TRE | 13/09/21 - 10h45 - Atualizado em 13/09/21 - 11h29
Arquivo/Tribunal de Justiça

Morreu na manhã desta segunda-feira (13), o desembargador aposentado Orlando Monteiro Cavalcanti Manso. Ele tinha 78 anos e, de acordo com informações repassadas à imprensa, a causa da morte foi uma infecção generalizada. Orlando Manso era casado com a desembargadora eleitoral substituta Maria Esther Cavalcanti Manso, que atualmente integra o Pleno do TRE de Alagoas. O sepultamento acontecerá no Campo Santo Parque das Flores, às 16h.

Orlando Manso foi presidente do Tribunal de Justiça de Alagoas e do Tribunal Regional Eleitoral do estado. O atual presidente do TRE/AL, desembargador Otávio Leão Praxedes, e o vice-presidente e corregedor, desembargador Washington Luiz Damasceno Freitas, lamentaram o falecimento, destacando que o desembargador Orlando Manso comandou a Justiça Eleitoral alagoana no período de cadastramento biométrico, tornando Alagoas o Estado pioneiro na conclusão do processo de coleta das digitais dos eleitores. “O desembargador Manso deixou seu nome marcado na história do Judiciário alagoano por sua sensatez, honestidade e determinação, deixando, com sua partida, uma lacuna enorme em todos nós”, lamentou o desembargador Otávio Praxedes.

O Presidente do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJAL), Klever Loureiro, e o Corregedor-Geral da Justiça, Fábio Bittencourt, também lamentaram a morte do desembargador Orlando Monteiro Cavalcanti Manso. O Corregedor Fábio Bittencourt ressaltou a importância de Orlando Manso para o Judiciário alagoano “O Desembargador prestou relevantes serviços à Justiça do nosso Estado, inclusive, também atuou como Corregedor. Gostaria de externar meus profundos sentimentos a todos os amigos e familiares, neste momento de tristeza”.

Trajetória - Orlando Manso nasceu em Maceió, no dia 24 de dezembro de 1942, filho de José Cavalcanti Manso e Dagmar Monteiro Cavalcanti Manso. Graduou-se em Ciências Jurídicas pela Faculdade de Direito da Universidade Federal de Alagoas, na turma de 1966. Em 1968, iniciou sua carreira como magistrado no Poder Judiciário de Alagoas, sendo nomeado para atuar na Comarca de Igreja Nova, de 1ª entrância.

Em 1970, Manso foi removido para a Comarca de Marechal Deodoro, e em 1975, promovido por merecimento para a Comarca de Capela. Em 1978, foi promovido por merecimento para 3ª entrância, tomando posse na 14ª vara da Comarca de Maceió, em 8 de maio daquele ano. Foi promovido por merecimento para o cargo de Desembargador do Tribunal de Justiça de Alagoas em 1987. Foi Vice-Presidente do TJ, de 1995 a 1997, e Corregedor-geral da Justiça de 1997 a 1998. Em 1998, foi eleito Presidente TJ/AL, tomando posse em 1999 e permanecendo até 2001. Foi ainda Diretor-Geral da Escola Superior da Magistratura (Esmal), onde também lecionou.

Recebeu título de Cidadão Honorário de diversos municípios, como Campo Alegre, Capela e São José da Tapera. E através dos recursos captados pelo Fundo Especial de Modernização do Poder Judiciário (FUNJURIS), Manso empreendeu a construção de vários dos edifícios sedes das Comarcas alagoanas, como os Fóruns de Arapiraca, Paripueira, Cajueiro e do Campus Universitário da Ufal.