Brasil

Vídeo: Cobra naja que picou e deixou estudante em coma é encontrada

Correio Braziliense | 09/07/20 - 13h31 - Atualizado em 09/07/20 - 13h42
Reprodução

A cobra naja que picou um estudante de 22 anos nesta terça-feira (7/7) foi encontrada e capturada. O Batalhão da Polícia Militar Ambiental (BPMA) resgatou o animal no shopping Pier 21 (veja vídeo abaixo). Segundo a corporação, familiares de Pedro Henrique Lehmkuhl forneceram informações que levaram ao contato de um adolescente que estaria com o bicho. De acordo com a Polícia Civil, ele é amigo do estudante picado.

Após buscas no Lago Norte, Setor de Mansões de Lago Norte, Paranoá, Lago Sul e até na Ponte Alta do Gama, integrantes do batalhão convenceram o garoto a informar que havia deixado o animal nas proximidades do shopping, “num local escuro e atrás de um morro de areia”, conforme descreve o comandante do BPMA, major Elias Costa.

“O animal, aparentemente, passa bem. O local onde está condicionado é ideal para esse tipo de animal, caso alguém queira levá-lo para algum lugar. Muito embora seja um animal bem agressivo, nós não o encontramos agressivo, está bem tranquilo”, detalha o major.

A cobra, de aproximadamente 1,5m, foi encaminhada ao Zoológico de Brasília e ficará, por enqanto, no recinto serpetário. A 14ª Delegacia de Polícia (Gama) também atuou nas buscas. Segundo o delegado-chefe, Jônatas Silva, a polícia chegou a receber denúncias anônimas informando de que a naja estaria em uma chácara no Gama. A partir daí, agentes iniciaram uma busca para tentar localizar a cobra. 

Em contato com o amigo de Pedro, descobriram que a naja estava com ele. "Ele se disponibilizou a entregar a cobra. Negociamos a todo instante. Mas, em determinado momento, ele disse que devolveria a naja para a Polícia Militar", detalhou o delegado.

Picada deixou estudante em coma

Pedro Henrique Santos Krambeck Lehmkuhl foi levado ao Hospital Maria Auxiliadora e está em coma, internado na unidade de terapia intensiva (UTI). O soro antiofídico necessário para o tratamento do veneno, que é estocado pelo Instituto Butantan em São Paulo, chegou a Brasília nesta madrugada. 

O rapaz, que é estudante de veterinária, apresentou melhora no fim da tarde desta quarta (8/7). Segundo apuração do Correio, ainda durante a madrugada, Pedro sofreu um choque anafilático, consequência de uma reação alérgica grave, e a administração do soro precisou ser interrompida. Só após um período de mais de seis horas em observação, a equipe médica pôde continuar o procedimento. Ainda assim, o estudante precisou ser submetido a hemodiálise, com o intuito de remover substâncias tóxicas do sangue. 

De acordo com Carlos Eduardo Nóbrega, diretor de répteis, anfíbios e artrópodes do zoológico de Brasília, a naja é originária da Ásia e não tem postura agressiva. "Essa espécie só ataca quando se sente muito ameaçada. Porém, é muito nociva ao ser humano e pode levar à morte uma hora depois da picada", diz. Ele explica que o veneno age diretamente no sistema nervoso central. "A pessoa pode perder a noção de espaço e ficar sonolenta", explica.

Delegacia investiga origem do animal

A Delegacia Especial de Proteção ao Meio Ambiente (Dema) investiga a origem da naja exótica que picou o estudante. Segundo a Polícia Civil do DF, não foram encontrados registros do animal no nome de Pedro Henrique Santos Krambeck Lehmkuhl.

O rapaz demonstra, nas redes sociais, ser um admirador desse réptil. Em um perfil no Facebook, costuma compartilhar diversas publicações com imagens de cobras. Contudo, não há, ao menos em modo público, qualquer registro que revele espécimes criados pelo próprio estudante.

Ele cursa medicina veterinária na Uniceplac desde 2016. A coordenadora do curso, Daniella Ribeiro Guimarães Mendes, disse ao Correio que diversos alunos manifestam apreço pelos mais diversos tipos de animais, mas são instruídos sobre a necessidade do respeito ao habitat de cada espécie. "Para aulas, podemos ter bovinos, equinos e outros animais mais domésticos. Animais selvagens em cativeiro representam um perigo e pode ser um mal para o próprio animal. Até porque é impossível alguém sair andando e se deparar com uma espécie dessas por aqui", pontuou.