Justiça

Acusado de homicídio no Tabuleiro é condenado a 17 anos

26/01/17 - 13h59 - Atualizado em 26/01/17 - 14h03
Itawi Albuquerque

O Conselho de Sentença do 3º Tribunal do Júri condenou Yago Anderson Santos da Silva, acusado de matar Claudevan da Silva Santos, em janeiro de 2013, a 17 anos, 5 meses e 5 dias de reclusão em regime inicialmente fechado. O julgamento ocorreu na tarde da quarta-feira (25), no Fórum da Capital.

A sessão foi conduzida pelo juiz Geraldo Cavalcante Amorim, titular da 9ª Vara Criminal da Capital.

A tese da acusação acolhida foi de homicídio com as qualificadoras de motivo torpe, perigo comum e recurso que dificultou a defesa da vítima, sustentada pelo promotor de justiça, José Antônio Malta Marques. Já a defesa do acusado ficou a cargo do defensor público Ryldson Martins Ferreira.

Durante interrogatório, o réu negou a autoria do crime. “Nesse dia eu estava em casa. Saí do meu trabalho, na feirinha do Tabuleiro, peguei o ônibus, que demora uma hora para chegar no Benedito Bentes, e fui pra casa ficar com minha mulher. Eu nem conhecia vítima”, declarou Yago.

O caso

De acordo com os autos, a vítima estava na companhia de dois irmãos e de um amigo, caminhando em um campo de futebol, quando o réu e um comparsa, de nome José César Oliveira Ramos, apareceram. 

Durante o processo, testemunhas disseram ter visto Yago atirar em Claudevan, que foi atingido nas costas e faleceu. As investigações apontam que a vítima era usuária de drogas e que o réu e seu comparsa estariam no comando do tráfico na região.