Geral

É falsa a afirmação de que vacina teria células de aborto ou produtos tóxicos

Agência Alagoas | 05/08/21 - 13h24 - Atualizado em 05/08/21 - 13h26
Ascom Alagoas

Circulam no Whatsapp várias informações sobre as fabricantes de vacina contra Covid-19. Entre elas, a acusação de que o imunizante da Janssen, companhia farmacêutica da multinacional Johnson & Johnson, apresentaria células de aborto em sua composição. A informação é falsa. Tecnologia da companhia já foi utilizada para desenvolver imunizantes contra o Ebola, Zika e HIV.

A mensagem compartilhada não apresenta fontes. “A vacina com maior quantidade de células de aborto!”, acusa o texto em uma imagem contra a vacina da Janssen.

O conteúdo é falso. A Janssen esclarece que a tecnologia utilizada pelo imunizante é, inclusive, a mesma de outras vacinas. “A vacina da empresa contra a COVID-19 utiliza a plataforma AdVac, tecnologia já comprovada, que também foi usada pela Janssen para desenvolver e fabricar o regime de imunização contra o vírus Ebola, aprovado pela Comissão Europeia. A tecnologia AdVac também é a plataforma usada no desenvolvimento de suas vacinas contra Zika, vírus sincicial respiratório (VSR) e HIV”, informou por e-mail. “É falsa a afirmação de que a vacina contenha células de aborto e produtos tóxicos”, assegura a empresa.

A farmacêutica também lembra que estudos de fase 3 demonstraram que a vacina de dose única é 85% eficaz contra quadros clínicos graves e forneceu proteção completa contra hospitalização e morte relacionadas ao novo coronavírus.

O uso emergencial foi liberado em cerca de 80 países, com base nos dados de eficácia e segurança validados pelas principais autoridades de saúde do mundo, como Agência Europeia de Medicamentos (EMA), Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos e no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A Organização Mundial da Saúde recomenda o uso da vacina da Janssen e disponibiliza detalhes sobre o imunizante.

O site de monitoramento de vacinação do Ministério da Saúde mostra que até esse domingo (1º) Alagoas já aplicou 1.856.939 doses da vacina contra a Covid-19. Do total, 1.321.945 foram de primeiras doses, 483.152 da segunda e 51.842 foram com doses únicas da Janssen. Com o avanço na campanha da vacinação, o estado registrou queda de 35% na ocupação de leitos exclusivos para o tratamento contra Covid-19.