Política

Lira quer concluir votações de pauta econômica do governo até novembro

03/08/21 - 17h55 - Atualizado em 03/08/21 - 18h00
Para o presidente da Câmara, a privatização dos Correios, considerada a pauta prioritária, deve ser votada até o fim desta semana | Agência Câmara

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), informou, nesta terça-feira (3/8), que espera concluir a votação da pauta econômica do governo até o mês de novembro.

Lira ponderou que, “com o nível de polarização existente no Brasil”, será impossível votar qualquer matéria depois desse período.

“A partir de novembro e dezembro, é muito difícil, no nível de polarização que o Brasil tem”, destacou.

“Vamos fazer as reformas necessárias”, pontuou o parlamentar, referindo-se às reformas administrativa e tributária, a proposta de regularização fundiária, além da privatização dos Correios – matéria cuja votação o presidente da Câmara quer concluir até o fim desta semana.

Correios

A venda da estatal é considerada prioritária pelo governo federal, neste segundo semestre, e fez parte do pronunciamento feito pelo ministro das Comunicações, Fábio Faria, na segunda-feira (2/8), quando ele pediu pressa para aprovar o projeto.

“Estamos hoje voltando aos nossos trabalhos do segundo semestre e, como avaliamos no fim do período anterior, há muitas matérias importantes já para o começo dos trabalhos”, anunciou Lira.

“Tivemos uma reunião hoje e vamos votar a regularização fundiária. Essa semana, muito provavelmente, votaremos os Correios, e ajustaremos o texto da reforma tributária e a reforma política, a depender da votação da comissão”, elencou o presidente da Câmara, ao chegar para abrir a sessão.

“Os recursos dessa privatização serão revertidos em benefícios para a população”, assinalou Lira.

Constitucionalidade

Na Câmara, o projeto é relatado pelo deputado Gil Cutrim (Republicanos-MA), que emitiu parecer favorável à venda da estatal, no início do mês de julho.

O parlamentar alega que o texto apresentado cumpre preceitos constitucionais. Em abril, os deputados aprovaram o regime de urgência para a proposta.

A constitucionalidade da proposta, no entanto, é questionada no Supremo Tribunal Federal (STF), em ação movida pela Associação dos Profissionais dos Correios (ADCap).

No STF, a ação está sob relatoria da ministra Cármen Lúcia e já recebeu parecer contrário à privatização, emitido pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

Lira disse ainda que espera concluir, até o mês de novembro, a votação das reformas de interesse do governo, a chamada pauta econômica. Nesse rol, estão as mudanças no funcionalismo público e no sistema de cobrança de impostos.

Servidores

Para a conclusão da votação da chamada reforma administrativa, que muda as regras de contratação do funcionalismo público, Lira estabeleceu, como prazo, o fim do mês de agosto.

Mesmo que não atinja os funcionários já estáveis, o projeto enfrenta resistência da categoria. O presidente da Câmara garantiu que os deputados não vão permitir retrocesso em direitos adquiridos.

“Não vamos mexer em direito adquirido atingido. Nós não vamos permitir”, enfatizou.