Interior

IC investiga causa de incêndio que matou bebê em Joaquim Gomes

TNH1 com Ascom Perícia Oficial | 18/08/20 - 11h42 - Atualizado em 18/08/20 - 11h56
Reprodução/JG Notícias

O perito criminal do Instituto de Criminalística de Alagoas (IC), Clisney Omena, já começou a trabalhar na preparação do laudo do incêndio em residência que matou um bebê de 1 ano e dois meses, em Joaquim Gomes, na Zona da Mata de Alagoas. O caso aconteceu na noite desta segunda-feira, 17, numa região conhecida como 'Fazenda das Cobras'.

De acordo com Omena, a casa onde aconteceu o incêndio fica em um local de difícil de acesso nas terras indígenas da Aldeia Wassu Cocal. A residência era uma construção de taipa com cobertura de palha, o que facilitou a propagação do fogo e destruição total do imóvel. 

Segundo testemunhas, a mãe da vítima teria deixado ela sozinha por alguns minutos. A mulher teria ido até a casa da avó, nas proximidades, para preparar a refeição do bebê, já que na casa onde morava não havia energia elétrica, o que já descarta a hipótese de curto-circuito.

A mãe e os vizinhos, quando perceberam o incêndio, tentaram controlar as chamas para resgatar a criança, porém sem êxito. O fogo se alastrou e o bebê morreu carbonizado.

“A hipótese de um incêndio por curto-circuito, que está entre as principais causas desse tipo de acidente no país já foi descartada, isso porque, a casa de taipa não possuía energia elétrica. Agora irei analisar tudo o que foi levantado no local para definir o que teria provocado o incêndio e onde ele teria iniciado”, explicou o perito criminal.

O corpo da menina está sendo necropsiado no IML da capital. Mas, como o cadáver está em estado avanço de carbonização, só poderá ser liberado, após exame de DNA que será realizado pelo Laboratório de Genética Forense do IC.

Incêndio também causou morte de outro bebê na cidade

No último dia 10, outro bebê morreu carbonizado após o quarto da casa que ele morava ter incendiado. Duas crianças irmãs da vítima conseguiram escapar. A mãe foi levada para a delegacia para prestar esclarecimentos, já que vizinhos relataram que ela costumava deixar os meninos sozinhos no imóvel.