Geral

Reunião define medidas de segurança para a orla nos fins de semana

Ascom Associação Comercial | 14/10/20 - 18h02 - Atualizado em 14/10/20 - 18h07
Associação Comercial

A Associação Comercial de Maceió propõe medidas conjuntas para evitar os confrontos entre jovens e a Polícia Militar, que por dois domingos seguidos aconteceram na orla da capital. Em uma reunião com a presença de dirigentes da Associação de Bares e Restaurantes (Abrasel) e da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH), além de representantes da Secretaria Municipal de Segurança Comunitária, Polícia Militar e Polícia Civil, ficou definido que será solicitado o reforço do policiamento na região nos finais de semana e a proposição de um decreto para regular o uso do som na praia. 

Segundo o presidente Kennedy Calheiros, os encontros que acontecem na orla nos finais de tarde de domingo estão deixando de respeitar o direito de ir e vir e causando muita confusão, agredindo a imagem de paraíso turístico que Maceió sempre ostentou. "Nossa preocupação é que o que inicialmente era visto como uma diversão entre jovens passe a ser pretexto para ilegalidade e violência. Cenas de consumo de álcool por menores, uso de drogas, assaltos e até mesmo sexo explícito em via pública estão prejudicando quem trabalha, mora ou usa da orla para se divertir", explicou.

A demonstração de preocupação com o futuro deu a tônica no encontro, já que no último domingo, pela segunda vez consecutiva, o que deveria ser um momento de descontração e alegria terminou com centenas de jovens em confronto com a PM. "Alguns setores da sociedade, especialmente com interesses políticos, nos acusaram de preconceito com a periferia após mais uma confusão. Não tem nada disso. Todos podem se divertir, mas mantendo a paz e o respeito ao próximo. O que tivemos foram famílias acuadas, registros de furtos, brigas e muita confusão", analisou.

"Os jovens têm todo o direito de se divertirem. Só que fica completamente inviável quando esses grupos fazem disputas com o som nas alturas e os confrontos muitas vezes violentos entre grupos rivais. Isso é prejudicial para um dos locais que todos consideram um grande cartão postal da nossa cidade ", acrescentou o presidente. Uma outra reunião será realizada na segunda-feira para ampliar o raio de ações, com a solicitação da presença do Conselho Tutelar, Secretaria Estadual de Prevenção à Violência, Ministério Público Estadual, Juizado de Menores.